Recent Posts

TV Bahia, afiliada da Globo, corre atrás de pobre para segurar audiência

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019
Jéssica Senra (Foto: Reprodução)

Atualmente, Salvador tem sido o epicentro de uma disputa intensa entre TV Bahia e Record nos números de audiência. A parceira da rede de Edir Macedo na região tem liderado em boa parte do dia e faz questão de comemorar e jogar suas vitórias na cara da afiliada da Globo com seguidos comunicados.

A TV Bahia bem que tentou e ainda tenta barrar o avanço da Record na capital quando promoveu ano passado uma reformulação geral em seu jornalismo. Por exemplo: contratou Jéssica Senra para assumir o novo formato do "Bahia Meia Dia". A elegante jornalista e ex-Record que outrora tocava o terror contra o Ibope da Globo na capital baiana não tem conseguido assumir a liderança contra o "Balanço Geral BA", comandado pelo bocudo e popular Zé Eduardo.

Mais curioso é que, desde que a TV Bahia começou a lamber a humilhante segunda posição do ranking de audiência, a cara do jornalismo local da afiliada da Globo mudou completamente. Anos atrás, quando se gabava de ser o telejornal "líder de audiência e preferido dos baianos no horário de almoço", o "Bahia Meia Dia" não era muito fã dos problemas dos bairros mais populosos e pobres de Salvador. Seguia-se o "Padrão Globo de Qualidade".

O telejornal em questão transitava entre shoppings, entrevistas de cunho cultural, pautas sobre saúde e emprego e atrações musicais no estúdio. O tradicional quadro "Desaparecidos" era tipo um projeto social da empresa. Os crimes e acidentes que chocavam e chamavam a atenção dos soteropolitanos passavam longe de ter real destaque no jornalismo do canal. Nada de exploração, era somente o básico do básico quando se tratava de sangue ou algo do tipo.

Enquanto a TV Bahia focava no chic e moderado, a Record partia para baixaria, sensacionalismo e apelação para conquistar a preferência da vasta e diversificada população de Salvador. Aos poucos foi atraindo as atenções do público mais esquecido que não se via na tela da Globo. Batendo ponto nas portas das delegacias e correndo atrás das batidas policiais e dando plantão no HGE (Hospital Geral do Estado), a Record entregava para o público alvo a informação que ele queria: saber quem levou tiro e quem morreu. E deu certo. Quando se trata de jornalismo, o grande público de Salvador prefere sintonizar na Record por saber que lá vai jorrar sangue na tela. Além disso, apresentadores e jornalismo da rival da TV Bahia falam a língua do povão.

Diante da ameaça e prejuízo, o telejornal do meia dia da TV Bahia hoje corre atrás dos pobres de Salvador. É buraco na rua, esgoto a céu aberto, falta d'água e inúmeras reclamações do tipo "Queremos solução!". Até defunto já apareceu ao fundo de uma reportagem feita no meio da rua. Os repórteres, coitados, saíram da zona de conforto e passaram a ficar debaixo do sol quente do meio dia em entradas ao vivo rodeados por gente querendo exigir seus direitos ou apenas aparecer na TV. Agora, o telejornal quer dar voz ao público, tornando a carismática Jessica Senra seu principal porta-voz tal como Zé Eduardo faz na Record.

Após muito tempo distante da população mais carente da capital, a TV Bahia agora faz de tudo para recuperar e segurar seus preciosos números de audiência apelando para o popularesco. Quem te viu, quem te vê!