quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

As vítimas da queda do Globocop em Recife

Compartilhe

Duas pessoas morreram e uma ficou gravemente ferida na queda do Globocop, helicóptero que prestava serviço à Globo em Pernambuco, nesta terça-feira (23). Morreram o piloto Daniel Galvão, de 37 anos, e a 1ª sargento da Aeronáutica Lia Maria Abreu de Souza, de 34 anos. O operador de sistemas Miguel Brendo, de 21 anos, foi encaminhado para o Hospital da Restauração, no Recife, em estado grave de saúde.

  • Daniel Cavalcanti Figueira Galvão


O comandante era casado e não tinha filhos. Ele era funcionário da Helisae, empresa responsável pela aeronave, há seis anos. Daniel tirou a licença de voo comercial de helicóptero nos Estados Unidos. Ela foi validada no Brasil em 2011. O piloto tinha mais de 1.300 horas de voo.

  • Lia Maria Abreu de Souza


Era 1ª sargento da Aeronáutica e tinha 34 anos. Com 17 anos de atuação, ela já trabalhou em São Paulo e no Acre antes do Recife. Segundo a Aeronáutica, ela fazia parte do efetivo do Terceiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta III).

Por ser controladora de voo, ela foi convidada pela Helisae para participar da transmissão na noite da segunda-feira (22). Ela deixou um filho de 2 anos. A sargento completaria 35 anos na quinta-feira (25).

  • Miguel Brendo Pontes Simões


Internado no HR, Miguel Brendo completou 21 anos no domingo (21). Operador de sistemas, ele era responsável pela captação, gravação e transmissão de imagens. Ele trabalha na Helisae há um ano e meio, empresa onde fez o curso de operador de sistemas.
Compartilhe