É injusto dizer que as novelas da Globo só ensinam o que não presta

Cena histórica da Independência do Brasil, no capítulo desta quinta-feira (07)
É muito comum haters (odiadores) e gente preconceituosa tascar o pau na Globo afirmando que suas novelas só destacam o que não presta, como putarias, que corrompem a família brasileira e seus bons costumes. Com implacável olhar puritano, tradicional e religioso, a acusação tem lá suas razões. No entanto, é injusto generalizar a baixaria. Não é bem assim, né?!

Não só de "imoralidades" vivem as produções da teledramaturgia da Globo. "Novo Mundo", por exemplo, é aquela novela que cala a boca das inimigas. A atual das seis, escrita por Thereza Falcão e Alessandro Marson, com direção artística de Vinícius Coimbra, se distancia da dita má fama corrompedora da emissora.

A novela conta a história do Brasil e a cada capítulo uma aula. É didática sem ser chata. Apesar da trama misturar personagens e situações fictícios com elementos reais, uma parte importantíssima da história de nosso país é contada na tela da Globo. E vamos combinar, contada com muita maestria.

Nesta quinta-feira (07), em pleno feriado de 7 de setembro, "Novo Mundo" destacou o grito de Independência do Brasil, ecoado por Dom Pedro I (Caio Castro, em seu melhor papel e desempenho). A emocionante reprodução do momento histórico, com direito a detalhes poucos conhecidos pelo público, já é digna de ser lembrada como um dos pontos altos da teledramaturgia nacional. 

Portanto, fica a "prova dos nove" de que as novelas da Globo não ensinam só putaria, mas também História do Brasil.

Dom Pedro proclamando a Independência

Princesa Leopoldina (Letícia Colin) assinando a proclamação
Tecnologia do Blogger.