Será? Remake de "Os Trapalhões" cheira fracasso


Em comemoração aos 40 anos do humorístico que marcou gerações na televisão brasileira, na próxima segunda-feira (17), estreia no canal fechado Viva o remake "Os Trapalhões" com nove episódios.

O atores Lucas Veloso, Bruno Gissoni, Mumuzinho e Gui Santana viverão Didico, Dedeco, Mussa e Zaca, respectivamente. O quarteto será auxiliado por seus "professores" Renato Aragão e Dedé Santana, ambos da formação original.

Muita animação e também muita preocupação quanto a recepção. É que o programa nem mesmo estreou e o público já fez questão de jogar uma pá de cal no humorístico.

Merecidamente...

Existem obras marcantes, tanto na TV quanto no cinema, que não devem ser mexidas em hipótese alguma. É o caso dos "Trapalhões". Mexer com a obra original pode ser desastroso, ainda mais se tratando de um programa que cumpriu muito bem seu objetivo em décadas passadas, tempos que são completamente opostos aos atuais.

Pode ser que o maior medo da Globo e também das cabeças por detrás do projeto não esteja nas comparações físicas e no desempenho dos atores que tentarão convencer e provocar nostalgia no público com personagens tão icônicos como foram Mussum e Zacarias, mas na rejeição do tipo de humor que será apresentado no remake.

As piadas e trocadilhos de maior sucesso da versão original de "Os Trapalhões" eram quase todas politicamente incorretas. E quem ligava ou se ofendia naquela época? Sem pudores, o texto mexia com minorias, cor de pele, banalizava mulheres, gays e todo mundo achava graça, o que hoje seria motivo de boicotes, protestos e até processos. E tenha certeza que a releitura do remake passará bem longe disso.
Pode até ser precipitação, mas com um texto adequadinho aos dias atuais e uma nova roupagem meio que duvidosa dos quadros de maior sucesso da versão clássica, o fracasso poderá ser iminente. Vale lembrar que é Renato Aragão quem roteiriza o projeto. Lembra da "Turma do Didi"? Pois é, então não espere muita coisa. Mas, vamos aguardar.

Aliás, verdade seja dita e justiça seja feita... 

Do quarteto, Mussum e Zacarias eram os únicos que salvavam "Os Trapalhões". Dedé Santana era peso morto. Após a morte da dupla, o programa desandou e Renato Aragão foi de mal a pior na TV e nas telas do cinema. 

Em tempo:
Em setembro, a edição comemorativa do clássico deverá ser apresentado na Globo.

Tecnologia do Blogger.