Record é o melhor canal usado pela Universal para atacar rivais

Por: Redação, 16/11/2016, 14h45
Edir Macedo
O líder da Igreja Universal do Reino de Deus, Edir Macedo, em conluio com seus bispos, comandantes da Record, para alcançar seus objetivos, como expandir o poder da IURD, diluir ou barrar o avanço de outras denominações religiosas, por várias vezes utilizou o alcance da emissora para atacar pastores rivais, minorias e outras igrejas.

A seguir, confira os mais absurdos e descarados ataques promovidos pela Igreja Universal veiculados através da Record:

Guerra Santa contra Valdemiro Santiago 
O autointitulado apóstolo Valdemiro Santiago e sua Igreja Mundial nunca sofreram tanto como em 2014. O líder religioso, em ascensão brutal, se sentindo extremamente poderoso, chegou a profetizar que em dois anos sua igreja seria maior que a Igreja Universal. Esse foi seu maior pecado... Valdemiro pisou no calo de Edir Macedo e provavelmente se arrepende até hoje.

O líder da Universal decidiu aceitar o desafio e partiu para o contra-ataque. E que contra-ataque! O calvário de Valdemiro começou com uma reportagem de incríveis 26 minutos feita pelo "Domingo Espetacular", da Record, que o acusou de enriquecimento ilícito e desvio de recursos da igreja em benefício próprio, em 2012.

Investigado por todos os lados, a situação de Valdemiro fugiu do controle. Ele teve de fazer acordos, vender fazendas, imóveis, cancelar contratos de locação de horários de TVs, vendeu rádios, perdeu fiéis, desistiu de outros negócios. E praticamente sumiu da TV...



Guerra Santa contra religiões-afro
A Universal teve algumas polêmicas com outros grupos religiosos, em especial as religiões da cultura afro-brasileira como o Candomblé e a Umbanda.  Em 2003, os bispos realizaram críticas ao candomblé no programa "Ponto de Luz", exibido pela Record de Salvador, BA.

No programa, uma suposta ex-mãe-de-santo, afirmou ter feito um "trabalho" de macumba para matar um desafeto e este, conforme a mulher, teria morrido. Vários praticantes do candomblé declararam que tiveram terreiros atacados por evangélicos e acusaram a Universal de incitar esses atos.

Em 2015, a Record e a extinta irmã Rede Mulher foram condenadas pela Justiça a produzir e exibir quatro programas de televisão como direito de resposta às religiões de origem africana, em razão das ofensas proferidas contra elas em suas programações. Cada programa deverá ter a duração mínima de uma hora.

Como exemplos, a ação citou trechos em que ex-adeptas de religiões afro-brasileiras, convertidas à Igreja Universal, são chamadas de "ex-mãe de encosto", "ex-bruxas" e acusadas de servir aos "espíritos do mal".

Através de ataque a Globo, IURD novamente atacou religiões de origem africana
Em janeiro de 2013, de forma baixa, a Record quis matar dois coelhos com uma cajadada só. Os bispos atacaram a Globo e também os praticantes de Umbanda e Candomblé. Uma reportagem de pouco mais de 8 minutos exibida no “Domingo Espetacular” abordou as polêmicas em volta de “Salve Jorge” e “O Canto da Sereia”.

A minissérie “O Canto da Sereia”, segundo relatos de religiosos ouvidos pelo programa, prega a bissexualidade e a adoração a figuras da umbanda, como Iemanjá. Já a novela das nove foi criticada pela exaltação do culto a São Jorge Guerreiro, santo católico conhecido como Ogum para seguidores do candomblé. Uma antropóloga também foi ouvida sobre o assunto.

A atitude intolerante da Record, motivada pelos bispos, causou constrangimento entre os jornalistas que trabalhavam na empresa. Muitos deles se sentiram envergonhados diante do ataque.



O dia que a Santa levou um chute
O chute na imagem de Nossa Senhora de Aparecida, venerada pelos massa católica, é um dos episódios de ataque religioso mais controversos já vistos na tela da Record.

No dia 12 de outubro de 1995, Sérgio von Helde, bispo da Igreja Universal, proferiu insultos verbais e físicos contra uma imagem da santa, à qual se dedicava o feriado do dia, durante o programa matutino "O Despertar da Fé", transmitido pela Record.

"Nós estamos mostrando às pessoas que isso aqui não funciona, isso aqui não é santo coisa nenhuma (...) 500 reais - 5 salários mínimos - custa no supermercado essa imagem, e tem gente que compra!! Agora se você quiser uma santa mais barata, você encontra até por 100 [reais] (...) Será que Deus, o Criador do universo, pode ser comparado a um boneco desse, tão feio, tão horrível, tão desgraçado?!", disparou Sérgio von Helde chutando a imagem.

 O acontecimento provocou forte repercussão em grande parte da sociedade brasileira.



Edir atacou Globo e Igreja Católica até no SBT
Em abril de 2015, o SBT exibiu uma edição especial do programa "Conexão Repórter" em que Roberto Cabrini entrevistou Edir Macedo.

Questionado sobre sua prisão em 1992 sob acusação de charlatanismo e estelionato, Edir Macedo atacou a Globo e a Igreja Católica, dizendo que a Igreja Católica foi a “cabeça” e a Globo o “corpo” de uma conspiração para colocá-lo atrás das grades, acuados pela ameaça que ele representava com o crescimento da Universal e da Record, recém adquirida. 

“Acredito que eu seja o inimigo número 1 da Igreja Católica.” Ainda sobre a religião cujo líder é o Papa Francisco, ele foi categórico: “Não comungamos da mesma fé.” Apesar do ocorrido, o bispo ignorou as acusações e fez piada dos críticos. “A Igreja Universal é que nem omelete: quanto mais se bate, mais ela cresce.”
Tecnologia do Blogger.