Crivella deixa veículos do Grupo Globo no vácuo; emissora rebate

Ana Luiza Guimarães
Por: Redação, 25/10/2016, 22h16
Nesta terça-feira (25), o candidato do PRB à Prefeitura do Rio, Marcelo Crivella, bispo e sobrinho do líder da Igreja Universal e dono da Record, Edir Macedo, deixou alguns dos veículos do Grupo Globo no vácuo.

O político não compareceu a duas entrevistas marcadas para esta noite, uma no "RJTV" e outra no G1.

No "RJTV 2ª edição", Crivella seria entrevistado durante 15 minutos por Ana Luiza Guimarães e, em seguida, às 20h, participaria de uma entrevista de 30 minutos no G1, conduzida pelos jornalistas Edimilson Ávila e Gabriel Barreira.

Em nota enviada à Globo às 17h e lida ao vivo pela apresentadora do "RJTV", Crivella explicou suas razões. A primeira, o candidato diz que não pôde comparecer a entrevista por estar em Brasília a serviço como senador pelo Estado do Rio, já a segunda razão: "Pela primeira vez, em função da minha indignação com a cobertura manipuladora e tendenciosa que a Rede Globo tem feito contra a minha candidatura, especialmente nas últimas semanas, não posso e não devo comparecer aos estúdios da emissora. Sou um homem da paz e como prefeito, se assim o povo decidir, vou dialogar com todos por amor ao Rio. Não guardo mágoas. É a minha natureza. Mas peço que fique registrado meu ato de protesto e apelo a favor da democracia e da liberdade de imprensa à altura das nossas tradições cívicas e morais", afirmou Crivella.

No lugar do candidato, Ana Luiza Guimarães exibiu uma poltrona vazia e leu as perguntas que planejava fazer ao senador. No vídeo a seguir, veja quais foram as perguntas:



Também, em nota, a Globo rebateu as acusações do candidato, ao vivo, através do telejornal carioca:

"Desde ontem, em inserções do horário eleitoral obrigatório, o candidato Marcelo Crivella tem atacado a TV Globo em termos nada respeitosos e ainda piores do que a nota agora enviada à emissora. Em consideração a você, telespectador, esclarecemos aquilo que todo defensor da liberdade de imprensa deveria conhecer: a missão de um veículo jornalístico é revelar fatos importantes, incômodos ou não, envolvendo as candidaturas. A TV Globo tem feito isso de forma isenta, com os dois candidatos em disputa pela Prefeitura do Rio. Como atestam nossos princípios editoriais, a TV Globo é apartidária, absolutamente independente de grupos econômicos e de governos. Essa postura independente de fato irrita aqueles que preferem, em benefício próprio, que a imprensa se cale, em prejuízo dos eleitores, que tudo devem conhecer para fazer seus julgamentos. A TV Globo sabe que, ao cumprir essa missão, pode ser vítima de ataques, os mais violentos e injustos. Isso já aconteceu recentemente com Jandira Feghali, do PC do B, com o ex-presidente Lula, do PT, com o deputado cassado Eduardo Cunha, do PMDB, e, agora, com o candidato Crivella, do PRB, de colorações ideológicas tão diferentes. Você, telespectador, é testemunha de nossa lisura. Nosso compromisso é com você, não com políticos e candidatos. Será sempre assim, mesmo que o preço a pagar sejam acusações sem sentido."

Edição desta terça (25), do "RJTV 2ª edição"
Crivella também faltou a entrevista marcada para esta terça, pela manhã, com a rádio "CBN". Segundo o veículo, que também pertence ao Grupo Globo, Crivella enviou um e-mail faltando nove minutos antes das 10h, horário marcado para a conversa, avisando que não poderia participar pois teria compromissos em Brasília. De acordo com a "CBN", a entrevista havia sido marcada no dia 10 deste mês.

Crivella
Na última sexta-feira (21), o candidato entrou com uma representação contra a Globo no Tribunal Regional Eleitoral. Crivella afirma que a emissora tem dedicado mais espaço ao seu rival, Marcelo Freixo (PSOL), nas inserções de propaganda eleitoral exibidas entre os seus programas.

Na tarde do domingo (23), Crivella fez ataques a veículos de imprensa que publicaram reportagens desfavoráveis a ele no último fim de semana. Segundo ele, a revista "Veja" fez uma capa "sob encomenda" e o jornal "O Globo" publicou "uma piada" como manchete. Ele também classificou a Globo como "a inimiga jurada" da sua campanha.

Em determinado vídeo, o candidato disparou: “Nessa eleição, a tentativa de manipulação da Globo e da Veja para me atingir, enganar a população, intervir e alterar o resultado das eleições passou dos limites”, disse.

A cinco dias do segundo turno das eleições da cidade do Rio de Janeiro, Crivella lidera as pesquisas de intenção de voto.


Tecnologia do Blogger.