A Globo só é líder pelo fato das outras serem ruins?

Por: Guiga Bates, 07/05/2016

Quando escuto ou leio alguém disparar a ideia de que a Globo só é líder, não por que é boa, mas pelo fato das outras serem piores, me dá uma certa agonia. Quem frequenta o Detona TV sabe que eu não meço esforços pra falar mal e criticar as concorrentes da Líder, não é por que sou fã da Globo e dono da verdade. Acredite, não me considero. De todas, a Globo é a que dá poucos motivos para este site detonar.

Vamos ao fatos e depois o leitor se encarrega de tirar suas próprias conclusões sobre o título deste post.

Quando você vê o "Esquenta!" ou novela ruim na telinha, alguém pode até achar que não, mas a Globo ainda mantém seu chamado "Padrão Globo de Qualidade". Um padrão que ao longo dos anos se adaptou as mudanças de seu público e que se rebola para não descer do salto no embate contra a concorrência.

O que é o Padrão Globo de Qualidade?

Um conjunto de regras que norteiam as operações da Rede Globo de Televisão desde a década de 1960, implantados por executivos americanos de um grupo chamado Time-Life. A Globo possui um regulamento ideológico, rigoroso e claramente distinto das práticas de outras emissoras de televisão. Desta forma, criou-se uma imagem específica para a emissora, um modelo almejado por todas as suas concorrentes.

Então, é esse Padrão que as outras tanto querem ter e não conseguem e que deu tão certo para a Globo.

Na prática, o Padrão é visível até por quem entende pouco ou nada sobre TV. Exemplos: sua grade é quase intacta e bem formulada. No jornalismo o Padrão é bem mais evidente. A roupa dos apresentadores e repórteres segue um padrão definido em "protocolo", é vetada ou aprovada por profissionais. Os textos são cuidadosa e rigorosamente construídos de forma coesa, simples de entender, fluído. Há pouco espaço para sensacionalismo, mesmo quando a notícia pede. Os intervalos comerciais são sempre curtos para não cansar o telespectador.

Repetindo, a Globo tem se adaptado e quebrado alguns de seu protocolos. Porém, isso não indica bagunça, apesar da situação lamentável e troca-troca do "Vídeo Show". No geral, as mudanças na Globo são válidas, são mudanças pensadas e diferente de outras emissoras. É preciso manter seu padrão e ao mesmo tempo seguir inovando e tentando, mesmo que para isso sofra de início, tenha que voltar ao passado ou popularizar alguns de seu produtos.

Agora, veja a situação de suas principais concorrentes...

A Record, inimiga e ousada, na década de 2000 surgiu aparentemente e avassaladora como uma Fênix para derrubar o império Global na liderança absoluta do Ibope. Tentou, mas a própria se afundou sozinha. Louca pela Globo, sempre a sombra dela. Não possui uma identidade específica. A Record não vive em prol de seu público. Vive para ferrar a Globo e fazer propaganda de si mesma. É um brinquedinho nas mãos dos bispos. A programação é precária, não há variedades. Por mais investimento que há, assim como houve a partir de 2004, mesmo com caras e nomes globais, só serviu para criar um padrão cópia, da pior qualidade e ser odiada.

O SBT tinha tudo para também ocupar a liderança. Quem alcançou a época de ouro do "Domingo Legal" e "Casas dos Artistas", sabe do que eu estou falando. Mas, seus vícios a derrubaram. Quando um produto não dava certo, mudava de horário e quando dava certo mudava também na tentativa de conseguir mais, ou desgastava exibindo repetidamente. Seu dono, o Silvio Santos, prefere desconhecer uma simples verdade: TV é costume. Sabe aqueles autores da Globo, o Benedito, Glória Perez e Walter Negrão? Se estes tivessem permanecido no SBT e suas novelas tivessem dado certo, hoje a emissora estaria em um lugar melhor no Ibope. O SBT limitou-se apenas a um público e colocação. E parece que não deseja ampliar-se, quanto mais gastar e crescer.

Sobre a Band e RedeTV!, são café com leite. Nem flui nem contribui, prefiro nem me alongar.

Se tivessem real qualidade e diferencial na programação, é o que o público procura, Record e SBT poderiam estar numa posição melhor no ranking de audiência e quem sabe dividindo igualitariamente ou chegando bem mais perto da liderança da Globo. Não me refiro ao esporádico, como o "Domingo Show", "Hora da Venenosa" ou Moisés abrindo o Mar, mas na aproximação consolidada na média geral.

A briga da Record não é com a Globo, hoje é com o SBT no PNT. Nota-se que a principal concorrente da Globo não é as outras emissoras de TV aberta, é a TV paga. Quando os índices de audiência da Globo cai, suas concorrentes tem seus índices inalterados ou com apenas décimos de crescimento.

Há quem diga que a maioria já liga a TV direto na Globo. Por que será? Alienação, costume? Pára! É por que sabem que é lá onde tem as melhores opções. Afirmo, atualmente se a TV aberta dependesse da Record e SBT, brasileiro já teria extinguido a TV de suas casas.

O que realmente falta na concorrência? Um plano de voo. A Record tentou voar, voo de galinha. A Globo fez diferente, traçou um futuro e hoje colhe os frutos de tanto investimento em tecnologia, jornalismo e teledramaturgia. A liderança é justa ou não é?
Tecnologia do Blogger.