"Sabadão" poderia ser bom, mas a baixaria não deixa

Por: Guiga Bates, 17/04/2016

Na noite de sábado, o "Sabadão com Celso Portiolli" poderia ser o diferencial e bater de frente com o "Altas Horas" de Serginho Groisman, da Globo. Não somente em audiência, mas no atrativo.

Nesta última edição (16), passei o olho no programa e eis que surge o simpático Michel Teló tocando ao vivo. Não curto sertanejo, mas tem quem goste. De todos, Teló ainda é salvação no ramo. Uma sequência de hits empolgante pra quem curte. Ponto para o "Sabadão". O cenário do programa é bem produzido e espaçoso. O tamanho e animação da plateia também não deixa a desejar. Mais um ponto pro "Sabadão". Até aqui deu pra engolir. Se tratando do SBT, até que não estava tão ruim.

Um detalhe: aquela plateia é favelada demais da conta. Fazem a mesma coreografia vista na Eliana, Ratinho, Faro, Geraldo Luís, Sabrina e Mion. Dão um gritinho, abaixam as mãos e depois levantam. O animador da mulherada deve ser o mesmo de todos os programas de auditório fora da Globo, não é possível!

Voltando... Porém, tudo se desgraça com a inserção da baixaria. Entre as músicas do sertanejo, Celso convoca quadros de gosto duvidoso. O concurso “Garota Mil e Uma Noites” contou com a presença de cinco rapazes desfilando numa esteira. As cinco moças, além de dançar e mostrar suas performances como odaliscas, tinham que vestir os rapazes com roupas de sultão. Tudo isso na disputa pelo prêmio de R$1 mil.

O programa contou com a participação do Santos do "Programa do Ratinho" no quadro “Tapa na Cara”. Eles jogam o famoso jogo de cartas “Vinte e Um” e quem perde a partida leva um “tapão”. Que ideia e brincadeira besta!

A baixaria toma maiores proporções com entrada do “Se virar tem que beijar”. As escuras, três garotas escolhem os rapazes pelas características apresentadas por Celso, ou por alguma parte do corpo que eles escolheram mostrar no telão. Se elas gostarem, viram a cadeira e terão que beijar o garoto escolhido e participar das provas do programa. Pura erotização. Cada beijo! Só faltam "nhanhá" ao vivo. Em meio a baixaria, o apresentador se empolga, grita. Irritante!

É por tudo isso que o "Sabadão" não vale nada. Se investissem num show com atrações de peso, se não tem outra coisa melhor, que seja o sertanejo, sei lá, com entrevistas e participação moderada da plateia, (uma plateia mais nível, né?) assim como faz o "Altas Horas", seria outra coisa, assistível e alternativa. É pra copiar? Melhor do que o lixo atual que o Celso apresenta, né? Mas a direção prefere apelar do que oferecer um produto de qualidade.

Vamos combinar, o público do programa não quer. É de baixaria que eles gostam. O público do "Altas Horas", por exemplo, é diferente do público do SBT.

Já disse aqui: Portiolli não é de se jogar fora. O camarada tem seu valor. Quem dera se tivesse ido pra Globo quando teve oportunidade... É triste vê-lo se queimando com programas tão ruins e de baixo nível. Ele apresenta dois programas no SBT, nenhum se salva. Sua insatisfação é evidente, o próprio já fez questão de deixar isso claro.

Apesar de tudo, pasmem, o "Sabadão" tem conseguido bons índices de audiência, isso quer dizer o estilo do programa vai continuar do jeito que está ou piorar.
Tecnologia do Blogger.