Reta final de “Totalmente Demais” é decepcionante

Por: Júlio Henrique, 23/04/2016
Sofia (Priscila Steinman)

O que mais me incomodava na atual novela das sete era o “Concurso Garota Totalmente Demais” ditar os rumos e acontecimentos da trama. Tudo acontecia no ritmo do concurso, de uma forma coerente e crível, o que era importante para a transformação de Eliza. Mas, ver toda semana uma figurante eliminada, Cassandra quase eliminada e Eliza vencendo as provas, eram um pé no saco. Não chegava a ser como “o fatídico Segredo de Carlota”, enfim, a trama vivia a mercê do Concurso.

Com o previsível fim da busca pela “Garota Totalmente Demais”, a trama não perdeu fôlego, perdeu coerência. A volta dos mortos de Sofia (Priscila Steinman) parece ter sido decidida as pressas só para evitar uma possível barriga. A forma como foi explicada pareceu estapafúrdia demais (fingir a própria morte por acaso?!). Sem falar que o ódio da vilã pela família e principalmente pela meia-irmã Eliza (Marina Ruy Barbosa) é sem nenhuma explicação verídica. Ser psicopata por si só não é lá muito crível.

"Totalmente Demais" passou a ser refém da vilã-zumbi Sofia e de seus planos bizarros e genéricos para aderir ritmo à novela, como usar o velho truque de empurrar a mocinha na piscina e fingir um desmaio. Foram capítulos inteiros dedicados a ela, as tramóias e agarramentos com Jacaré (Sérgio Malheiros), tanto que o casal “Arliza” quase não aparecia.

Outra situação forçada é Cassandra (Juliana Paiva) na casa do namorado Fabinho (Daniel Blanco). É zumbi para lá, ameaça de Sofia para cá. Até crucifixo e instrumental de “O Beijo do Vampiro” tivemos que aguentar. A divertida personagem perdeu sua função na trama e passou a tentar inutilmente desmascarar a Sofia.

Outra personagem que se perdeu foi Carolina (Juliana Paes) que agora virou uma Atena da vida e se utiliza de planos clichês para separar o casal “Arliza”. Nesta semana, a personagem usou sonífero na bebida da mocinha e a colocou na cama com avulso para o mocinho pensar que foi traído, tal como em “Eta Mundo Bom!”.

A julgar pela reta final de "Totalmente Demais" e reviravoltas finais do outro trabalho de Rosane Svartman e Paulo Halm (Malhação - Sonhos), conclui-se que esses dois não conseguem finalizar decentemente uma novela. Infelizmente! 
Tecnologia do Blogger.