“Domingo Legal” e a sua vergonhosa dependência do sucesso alheio

Por: Márcio Andrade, 18/04/2016
Youtubers no "Domingo Legal" deste domingo (17)

Eu não sei mais o que dizer. E reitero aquilo que escrevi em outro post: eu tento proferir coisas boas das produções do SBT, mas não consigo. Nada obstante, até para falar mal, está ficando complicado, visto a retórica ficar repetitiva, devido ao fato de bater sempre na mesma tecla. Também ele não dá outra opção…

Ademais, outra vez falarei do “Domingo Legal”, que de… legal, não tem nada. Sabem aquele sentimento de vergonha alheia? Isto é: a vergonha que você sente dentro de si ao presenciar alguém fazendo algo embaraçoso. Pois é… não tem como não sentir isso a respeito do programa supracitado. O Celso e, consequentemente, a produção de seu “Domingo Legal”, não conseguem esconder a “escravidão” que têm de terceiros.

Primeiro, daquele quadro “Passa ou Repassa”, o qual está mais desgastado que “periquita” de atriz pornô. Segundo, dos seus participantes: antes, ex-integrantes do elenco de “Carrossel” e “Chiquititas” – daqui a pouco eles voltarão… Duvidam? –, funkeiros, os quais, sabem se lá, não seriam aprovados nem naquele antigo programa do Silvio Santos, chamado: “Você é mais esperto que um aluno da quinta série?”. Esta porcaria criada pelo produtor de TV britânico Mark Burnett. Não. Os mesmos seriam reprovados.

Agora, encontram-se dependentes, pasmem!, dos “youtubers”. Os incompetentes estão tentando puxar audiência de plataforma segmentada, para uma pulverizada, como se esta fosse igual à primeira. Caso não fosse assim, o Rafinha Bastos e a Adriane Galisteu estariam na TV aberta até hoje, em razão dos seus milhões de seguidores, por exemplo, que eles possuem no Twitter. São, se não me engano, duas vezes que alguns membros do YouTube participam do “Domingo Legal”. Não dou muito tempo para a terceira vez, quarta, quinta…

Já está na hora desse programa acabar. Ser extinto. A sua melhor fase, foi no tempo do Gugu, mesmo com aquela baixaria toda. E o programa está velho, não é? Então… Se fosse um pênis, nem com Viagra – sem publicidade explícita – conseguiria subir.
Tecnologia do Blogger.