Cinco vilãs azaradas e hilárias das novelas globais - Parte 01

Por: Júlio Henrique, 29/03/2016


Sem elas nada acontece numa novela. Se uma vilã não for lá incomodar a vida da mocinha, a trama não anda! Quando seus planos dão errado, quem ganha é o publico que se diverte quando vê “o feitiço virar contra o feiticeiro”. Desculpem garotas, mas nem todas nasceram para ser uma Odete Roitman, ou mesmo, uma Carminha!

Amelinha (Adriana Esteves) – Coração de Estudante (Emanuel Jacobina, 2002)

                               
Mimada e egoísta, a personagem de Adriana Esteves em “Coração de Estudante”, fazia de tudo pelo amor de Eduardo (Fábio Assunção), mas sempre se dava mal. Sua antagonista Clara (Helena Ranaldi) era muito bem resolvida e não deixava enredar por suas vilanias. Amelinha deixou de carregar as funções de vilã e caiu nos braços do peão Nélio (Vladimir Brichta).

Jezebel (Elizabeth Savalla) – Chocolate com Pimenta
(Walcyr Carrasco, 2003)


Uma das tramas escritas por Walcyr Carrasco que mais fez sucesso foi “Chocolate com Pimenta”, que trouxe à tona uma vilã deliciosa na pele de Elizabeth Savalla, a perversa e também azarada, Jezebel. A personagem era irmã de Ludovico (Ary Fontoura), que por sua vez era o dono da famosa fábrica de chocolate. Entre planos maquiavélicos e azar a parte, Jezebel estava crente que assumiria o cargo após a morte de Ludovico, mas não contava com a jovem Ana Francisca (Marina Ximenes).

A vilã aprontou muito. Para o nosso deleite, muitos de seus planos falharam e ela acabou sendo punida por seus atos ao longo da trama. O público adora uma vilã se dando mal.

Bárbara Ellen (Giulia Gam) – Sangue Bom (Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari, 2013)


Ela não media consequências para conseguir o que queria. Mas nada adiantou: tentava bancar a mãe zelosa, deu errado. Tentou seduzir Natan (Bruno Garcia), foi rejeitada. Mesmo que algo parecesse dar certo, no fim tinha algum problema. Tentou ser dissimulada, por ser tão má atriz acabou não convencendo. Terminou sua trajetória na telinha como uma celebridade num reality show auto-explicativo: A que ponto chegamos? Decadências das decadências...

Sofia e Beatriz (Zezé Polessa e Débora Falabella) – Escrito nas Estrelas (Elizabeth Jhin, 2010)


Todo esforço de Sofia e Beatriz para fazerem a segunda ser a mãe do filho do falecido Daniel (Jayme Matarrazzo) e único herdeiro de Ricardo Aguillar (Humberto Martins) era em vão! Em cada tentativa a dupla se estrepava e em cada estrepada o público se divertia ainda mais. Sofia e Beatriz eram vilãs azaradas e protagonizavam cenas hilárias em “Escrito nas estrelas”

Tereza Cristina (Christiane Torloni) – Fina Estampa
(Aguinaldo silva, 2011)


Desequilibrada, deslumbrada, excêntrica, sádica, assassina, cínica... Faltam adjetivos para qualificar a vilã mor de “Fina Estampa”. Tereza Cristina era uma mulher assumidamente má. E talvez, exatamente por essa prepotência, ela sempre metia os pés pelas mãos. Também... Encontrou pela frente uma mocinha que de fato tinha o futuro nas mãos: Griselda (Lília Cabral).

A aparente segurança da protagonista era um ingrediente que Tereza não contava. Todos os seus planos foram desvendados, resultando em humilhação. Exageradamente cômica, terminou por parecer uma versão tupiniquim do coyote correndo atrás do papa-léguas. Pode até ter conseguido separar o mocinho da mocinha de forma definitiva. No entanto, também não foi ela que terminou ao lado de René Velmont (Dalton Vigh).
Tecnologia do Blogger.