Vindo da Record, série "Conselho Tutelar" até que não é ruim

Roberto Bomtempo em cena de "Conselho Tutelar"
Nesta primeira semana do ano, a emissora do Edir estreou a segunda temporada de "Conselho Tutelar", série com cinco capítulos. Toda a trama é baseada nos relatos do conselheiro carioca Helber Boscoli sobre crianças abandonadas e violência doméstica.

Vale lembrar que a primeira temporada foi bastante elogiada pelo público e crítica. Como não vi, não posso afirmar nada. Então, resolvi deixar o orgulho de lado e  tirar minhas próprias conclusões por conferir um pouco desta temporada atual. E não é que me surpreendi, caro leitor! Vindo da Record, até que a produção não é ruim.

É claro que a Record sozinha não teria tamanha capacidade de entregar uma obra tão bem pontuada e de excelente acabamento. A partir da segunda temporada, a série passou a ser co-produzida pela Visom Digital e NBC Universal. Dirigida por Rudi Lagemann, as imagens é totalmente captada em 4K, garantindo alta resolução cinematográfica. O resultado final é de altíssima qualidade.

O roteiro escrito por Marcos Borges causa um certo incômodo. Didatismo ao extremo, como se o público precisasse de um tradutor para entender o que se passa nas cenas. Detalhe que no fim das contas, não prejudica o andamento da série.

No elenco, cabe destacar Roberto Bomtempo que interpreta um dos conselheiros. Na pele de um dos protagonistas, se mostra bem seguro no papel. Apesar do casting mirim da Record ser péssimo, o elenco infantil desta vez não decepcionou.

Mesmo tratando de casos delicados e reais, a série até tenta fugir da pieguice, mas não deixa de ter um forte apelo social. Impossível, né?

Com uma temática forte e necessária para os dias atuais, a bem produzida "Conselho Tutelar" se torna destaque na programação xexelenta do canal e merece elogios sinceros. Humildemente, recomendo! Vale a pena arriscar sintonizar na Record pelo menos durante uma semana.

Comente abaixo no Disqus. 
                                                                                      Por: Guiga Bates, redator-chefe do Detona TV
Tecnologia do Blogger.